Paulo Coelho se oferece para cobrir gastos do Festival de Jazz do Capão

Evento foi reprovado pela Fundação Nacional de Artes (Funarte) de ter apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).

Paulo Coelho
Foto: Reprodução Internet.

Na manhã desta quarta-feira (14), o nome do escritor Paulo Coelho aparecia entre os assuntos mais comentados das redes sociais.

Inclusive, no segundo lugar dos Trending Topics do Twitter.

Na última terça-feira (13), o escritor utilizou sua conta na rede social para anunciar que a fundação, que mantém em parceria com sua esposa Christina Oiticica, se ofereceu para cobrir os gastos do Festival de Jazz do Capão.

O evento, realizado na Chapada Diamantina, na Bahia, foi reprovado pela Fundação Nacional de Artes (Funarte) de ter apoio da Lei Federal de Incentivo à Cultura (Lei Rouanet).

VEJA TAMBÉM:

— > Escritor Paulo Coelho aponta ‘assassinos de Paulo Gustavo’

— > Irmã de Pedro Dom afirma que sua mãe não autorizou produção da série ‘Dom’

— > Juliette acusa Antônia Fontenelle de xenofobia e atriz responde

De acordo com o parecer técnico, o evento não tem condições técnicas e artísticas para ser aprovado.

A Fundação Nacional de Artes teria reprovado o Festival, pois o evento se posiciona como “um festival antifascista e pela democracia”.

Uma publicação, feita no Facebook do evento em 1º de junho do ano passado, diz: “Não podemos aceitar o fascismo, o racismo e nenhuma forma de opressão e preconceito”.

Em 2020 o Festival de Jazz do Capão não foi realizado devido à pandemia de coronavírus. A organização do evento recebeu a resposta negativa para o apoio da Lei Rouanet em junho deste ano.

O planejamento envolvia a possibilidade de realizar uma versão online para o evento.

Nas últimas edições, além dos músicos de Salvador, artistas conhecidos internacionalmente fizeram parte da programação do festival.

Através das redes sociais, os internautas comentaram sobre a atitude de Paulo Coelho: “Espero que a iniciativa de Paulo Coelho, de bancar o Festival de Jazz do Capão – depois do Estado barrar – incentive outros ricos a fazerem algo pela arte.”, foi uma das opiniões.

Com informações de G1.

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários