Rainha Elizabeth retira títulos do filho após denúncia de pedofilia

Segundo a imprensa britânica, ele também deixará de atender pelo título de Sua Alteza Real.

O Palácio de Buckingham noticiou nesta quinta-feira (13) que a Rainha Elizabeth II removeu os títulos militares e patrocínios reais do seu filho, o Príncipe Andrew. A medida acontece após a justiça dos Estados Unidos prosseguir com o processo contra Andrew por abuso sexual e pedofilia. Segundo a imprensa britânica, ele também deixará de atender pelo título de Sua Alteza Real.

rainha elizabeth
Foto: Reprodução Internet

“Com a aprovação e o aceite da rainha, as afiliações militares do duque de York e os patrocínios reais foram devolvidos”, disse a instituição em nota.

“O duque de York continuará a não assumir nenhuma função pública, e estará se defendendo neste caso como um cidadão comum”, diz o breve comunicado.

A atitude da Rainha acontece horas depois que mais de 150 veteranos militares escreveram a ela para pedir para retirar Andrew de seus cargos militares honorários. Eles afirmaram estar “chateados e com raiva”.

VEJA TAMBÉM:

—> Rainha Elizabeth II e Joe Biden se encontram pela primeira vez em junho

—> Exposição exibe, pela primeira vez, o icônico vestido de noiva de Lady Di

—> Primeira foto de Kristen Stewart como Princesa Diana é divulgada

Em uma carta aberta para a Rainha, membros importantes do serviço militar disseram que era “insustentável” para o duque de York manter sua posição.

“Se este fosse outro oficial militar de alto escalão, é inconcebível que ele ainda estivesse no cargo”, dizem eles na carta.

André Alberto Cristiano, conhecido como Andrew é o segundo filho da Rainha Elizabeth II do Reino Unido e do falecidopríncipe Filipe, Duque de Edimburgo. Ao nascer, era o segundo na linha de sucessão ao trono Britânico; em 2021 é o nono na linha. 

Entenda a denúncia de assédio sexual

Uma cidadã americana denuncia o príncipe Andrew por abusou sexual em 2001, quando ela tinha 17 anos, o que resulta em pedofilia.

No meio de 2021, um processo civil foi aberto por Virginia Giuffre, uma das vítimas dos crimes sexuais do financista americano Jeffrey Epstein – morto em 2019. Giuffre afirma que teve relações sexuais forçadas com o príncipe Andrew há mais de duas décadas e os encontros teriam acontecido na casa de Ghislaine Maxwell, ex-sócia de Epstein.

O príncipe nega as acusações.

Com informações de G1

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários