Aos 96 anos, morre o sambista Nelson Sargento

Fãs lamentaram através das redes sociais. Presidente de honra da Estação Primeira de Mangueira é mais uma vítima da Covid-19.

Nelson Sargento
Foto: Reprodução Internet.

Nesta quinta-feira (27), o sambista Nelson Sargento morreu aos 96 anos, no Rio de Janeiro.

O presidente de honra da Estação Primeira de Mangueira e compositor de samba estava internado desde 20 de maio com covid-19, no Instituto Nacional do Câncer (INCA).

O sambista ainda chegou a receber as duas doses da vacina contra a doença, mas não resistiu às complicações.

Ele deixa esposa e nove filhos. A confirmação da morte foi feita através do perfil oficial do artista, no Instagram.

VEJA TAMBÉM:

–> Sambista Nelson Sargento é internado com Covid-19

–> Morre a atriz Nicette Bruno, mais uma vítima do novo coronavírus

–> Atriz Barbara Bruno recebe alta após ser internada e intubada por Covid-19

De acordo com o comunicado oficial, a morte ocorreu às 10h45 desta quinta-feira. Ele era paciente do hospital desde 2005, quando foi diagnosticado com câncer de próstata.

No mundo do samba desde a infância, ao longo de sua carreira, entre os anos 1960 e 1970, Nelson fez parcerias com grandes nomes da música como: Paulinho da Viola, Elton Medeiros, Jair do Cavaquinho e Zé Keti.

Suas composições também foram gravadas por vozes como Dona Ivone Lara, Elza Soares e Beth Carvalho.

No Twitter, o nome do presidente de honra da Estação Primeira de Mangueira ficou entre os assuntos mais comentados, diversas personalidades deixaram suas homenagens.

A educadora, artista plástica e política brasileira, Erica Malunguinho escreveu:

“Nelson Sargento era a própria Estação Primeira de Mangueira. E ele ainda é. Perdemos um baluarte que se eterniza em Verde e Rosa para eternidade. “

Desde o início da adolescência, com apenas 12 anos, Nelson já representava a escola de samba que é uma das principais do Rio de Janeiro.

“O samba de luto. Conforta saber que Seu Nelson foi reconhecido e reverenciado em vida. Será lembrado e, por isso, viverá. Abraço familiares, amigos e a nação mangueirense.”, lamentou a jornalista Flávia Oliveira.

Confiras algumas publicações:

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários