Após polêmica, Maurício Souza pensa em sair do Brasil

Atleta do vôlei foi demitido por homofobia.

Foto: Reprodução Internet.

Recentemente, o nome do jogador de vôlei Maurício Souza viralizou nas redes sociais. Ele teve contrato rescindido por ser acusado de homofobia.

O atleta, que jogou nas Olimpíadas pelo Brasil, utilizou as redes sociais para mostrar que ficou irritado com o anúncio da DC Comics sobre o novo Super-Homem, filho de Clark Kent, que se descobrirá bissexual.

Maurício fez críticas à DC e sua postagem repercutiu. Logo em seguida, internautas cobraram um posicionamento do Minas Tênis Clube, que alegou respeitar a liberdade de opinião de cada atleta, mas afirmou não aceitar declarações homofóbicas.

Com a pressão dos patrocinadores, o atleta chegou a fazer um vídeo pedindo desculpa pelo ocorrido, mas afirmou que não se arrepende.

VEJA TAMBÉM:

—> Minas rescinde contrato com Maurício Souza após falas homofóbicas

—> Internautas acusam Record de homofobia após beijos; entenda

—> Ludmilla se pronuncia após fala homofóbica de Sikêra Jr.

Em entrevista para o canal “Pilhado”, no YouTube, Maurício explicou que já está avaliando algumas propostas de outros times, inclusive estrangeiros.

Ele explicou toda a situação e pediu para que os fãs não fiquem preocupados, pois, ele tem estrutura financeira e psicológica para lidar com os últimos acontecimentos, além de afirmar que agora está tudo bem.

O atleta se mostrou chateado com a atitude de alguns profissionais que o criticaram, mas demonstrou gratidão ao apoio que recebeu, ele afirmou que recebeu ligações e mensagens de pessoas que não conhecia, que afirmaram que estão do seu lado.

Sobre sair do Brasil, ele alegou que está analisando as propostas: “Meu empresário está com medo de eu ficar aqui no Brasil. Talvez, a melhor opção seja sair do país mesmo”.

De acordo com ele, caso fique aqui, qualquer time que o contratar irá sofrer pressão. Maurício chegou a dizer que teme pelo futuro dos colegas de profissão que possuem as mesmas ideologias que ele:

“Eu também tenho medo de ficar aqui no Brasil. Não por mim, mas pelos meus colegas de equipe. Se o time não tiver uma estrutura muito forte junto com os patrocinadores para aguentar essa pressão, vai ser difícil”, afirmou.

Confira a entrevista completa:

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários