Mulher viraliza após ser comparada com Douglas Souza, do vôlei

Internautas disseram que Danízia Menezes é a cara do ponteiro da Seleção Brasileira; confira!

Douglas Souza
Foto: Reprodução Internet

Dougla Souza, ponteiro da Seleção Brasileira de Vôlei, tem feito tanto sucesso, que até sósias seus estão sendo encontrados pelo mundo.

A biomédica Danízia Menezes viralizou no Twiter neste domingo (25) ao ser comparada com o craque.

Em sua rede social, ela escreveu: “Gente, pelo amor de Deus, já tem um tantin bom de gente vindo falar que pareço com a lenda Douglas. Ainda não sei o que pensar sobre [isso]”.

VEJA TAMBÉM:

—> Douglas Souza no BBB22? Galvão Bueno sugere e Boninho se anima

—> Douglas Souza, do vôlei, viraliza ao gravar vídeos sobre as Olimpíadas

—> ‘Besuntado de Tonga’ reaparece na abertura das Olimpíadas e vira meme

A postagem já conta com 60 mil curtidas e centenas de comentários de internautas que reforçaram a semelhança entre os dois.

“Gêmeos que foram separados no hospital”, escreveu um internauta. “Mulher do céu, acho que vocês são irmãos”, disse uma seguidora. “não vejo a hora de vocês acabarem descobrindo que são irmãos gêmeos que foram separados na maternidade”, brincou um internauta. “faz um teste de DNA. tenho certeza que o douglas amaria descobrir que tem uma irmã gêmea”, disse outro.

Danízia se divertiu com a repercussão: “Me achou parecida com a lenda???? Me manda um pix pra eu ver se é verdade”, brincou.

Entrando ainda mais na brincadeira, Danízia chegou alterar o nome de perfil no Twitter para “Danízia e não Douglas”.

O FENÔMENO DOUGLAS

Douglas Souza virou um fenômeno nas redes sociais ao compartilhar os bastidores das Olimpíadas de Tóquio.

O atleta, que chegou nas Olimpíadas com 200 mil seguidores no Instagram, alcançou os 2,6 milhões de seguidores nesta segunda-feira (26).

Além de um fenômeno nas redes, ele é um fenômeno nas quadras. Douglas jogou nos dois jogos do Brasil e marcou diversos pontos.

REPRESENTATIVIDADE

Em entrevista à ESPN no Mês do Orgulho LGBTQIA+, Douglas, que é de Santa Bárbara d’Oeste, interior de São Paulo, afirmou que nunca escondeu sua orientação sexual, mas lamentou que o Brasil seja o país que mais mata LGBTs no mundo.

“Infelizmente, no nosso dia a dia, no nosso mundo, na nossa realidade hoje, o Brasil é o país que mais mata LGBTs no mundo.”

Mesmo assim, o atleta não perde as esperanças e disse que estamos no caminho para mudar essa realidade.

“A gente está tendo muito mais voz para expor as coisas que acontecem com a gente, para lutar pelos nossos direitos de igualdade, e é isso, acredito que sim, sempre vai ter (receio de assumir), infelizmente, mas a gente está no caminho pra mudar.”

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários