Médico que atendeu Lady Di após acidente fala pela 1ª vez

MonSef Dahman contou detalhes da madrugada em que tentou, “por uma hora, fazer o coração da princesa de Gales voltar a bater”.

Princesa Diana
Foto: Reprodução Internet

MonSef Dahman estava de plantão no Hospital Pitié-Salpêtrière na madrugada de 31 de agosto de 1997, quando a mãe de William e Harry se envolveu tragicamente em um acidente de carro em Paris.

Ele contou ao jornal americano Daily Mail que estava descansando na sala de serviço quando recebeu um telefonema de um anestesista sênior dizendo-lhe para ir ao pronto-socorro com urgência.

“Não me disseram que era Lady Diana, apenas que houve um grave acidente envolvendo uma jovem”, revelou.

A princesa Diana, 36, seu namorado, Dodi Al Fayed e o motorista Henri Paul morreram quando sua Mercedes bateu no túnel de Alma, na capital francesa, por volta das 12h20.

O guarda-costas Trevor Rees-Jones surpreendentemente sobreviveu ao acidente, mas ficou com ferimentos horríveis.

VEJA TAMBÉM:

—> Príncipe Harry pediu permissão à rainha Elizabeth para chamar filha de Lilibet

—> Primeira foto de Kristen Stewart como Princesa Diana é divulgada

—> Além de Kristen Stewart, veja as atrizes que já interpretaram a Princesa Diana

Devido à gravidade dos ferimentos de Diana, ela recebeu tratamento médico no local antes de sofrer uma parada cardíaca ao ser transferida para uma ambulância.

Dahman, agora com 56 anos, contou como logo percebeu que algo importante havia acontecido por causa da “atividade incomum” no hospital.

Ele disse: “Para qualquer médico, qualquer cirurgião, é muito importante estar diante de uma mulher tão jovem que está neste estado. Mas é claro que ainda mais se ela for uma princesa.”

The Mercedes she was travelling in crashed in the Alma tunnel
Imagens de como ficou a Marcedes em que Diana estava após o acidente (Foto: AP: Associated Press)

As radiografias logo revelaram que Diana estava sofrendo de hemorragia interna muito grave e o excesso de fluido sendo removido de sua cavidade torácica.

Ela então sofreu outro ataque cardíaco.

Dahman foi acompanhado na sala de emergência pelo professor Alain Pavie – um dos principais cirurgiões cardíacos da França.

“Tentamos várias vezes choques elétricos e, como havia feito no pronto-socorro, massagem cardíaca”, revelou Dahman.

“A professora Riou administrou adrenalina. Mas não conseguimos fazer seu coração bater novamente.”

Eles então trabalharam por uma hora tentando desesperadamente salvar a vida de Diana, mas sem sucesso.

“Nós lutamos muito, tentamos muito, realmente muito”, disse Dahman. “Não pudemos salvá-la. E isso nos afetou muito.”

Uma das razões pelas quais Dahman decidiu se manifestar foi anular as teorias que afirmavam que os médicos eram de alguma forma parte de uma trama assassina do sistema britânico.

Posteriormente, o patologista forense britânico, Dr. Richard Shepherd, olhou os relatórios médicos da investigação Paget sobre a morte de Diana, liderada pelo ex-chefe da Scotland Yard, Lord Stevens.

Com base na opinião do especialista do Dr. Shepherd, Lord Stevens concluiu: “Os envolvidos no tratamento e cirurgia de emergência eram altamente qualificados e experientes em seu campo.

“Suas evidências mostraram que todos os esforços foram feitos para salvar a vida da Princesa de Gales. Nenhuma outra estratégia teria afetado o resultado.”

Com informações de The Sun

Acompanhar esta matéria
Notificação de
0 Comentários
Comentários embutidos
Exibir todos os comentários